Opinião dos Leitores

Newsletter

Tradutor

Livros & Leituras TV

Entrevistas

Teatro

O Pide

Avaliação: / 1
FracoBom 

GÉNERO - Teatro

alt

O tema da PIDE continua a fascinar escritores de todos os lados. Desta vez, é Miguel Oliveira que resolve contar-nos, num texto dramático, o enredo que envolve está temática.

O nosso passado recente, em plena ditadura, foi igualmente injusto para alguns justos. Pessoas singulares que muitas vezes eram acusadas de pertencer ou colaborar com a polícia do antigo regime.

O autor reúne nesta obra um conjunto de personagens e mostra-nos com arte como se pode montar uma ação, medida em tempo e circunscrita em espaço.

Tudo parece começar quando alguns estudantes raptam um homem que acusam ser um bufo da PIDE. Numa sala universitária vários alunos confrontam-no numa espécie de julgamento popular.

O homem tenta defender-se, mas não consegue convencer os alunos da sua inocência... Como irá terminar este drama?

__________

Miguel Oliveira

O Pide

Books on Demand


Add a comment

Onde estavas quando criei o mundo?

GÉNERO - Teatro

alt

A presente obra enquandra-se no capítulo da dramaturgia. Em 2012 estrou no Teatro Nacional de D. Maria II este texto de Artur Ribeiro. Onde estavas quando criei o mundo? apresenta-nos a história de uma mãe que é levada a tribunal pelo crime de filicídio. O texto está construído, propositadamente, para conduzir o leitor à reflexão sobre os factos apresentados. De juiz a confessor, por ambas as posições qualquer leitor passará com este livro na mãos. Das razões que podem ter levado a mãe a cometer tal ato tão hediondo, ao ato em si que tanto poderá ter de piedoso como de sacrifício, aos exemplos da Bíblia, à eutanásia... Num pequeno grande livro são levantadas várias questões atuais e morais da nossa e de qualquer sociedade moderna.

__________

Artur Ribeiro

Onde estavas quando criei o mundo?

Guerra & Paz


Add a comment

Uma noite em casa de Amália

GÉNERO - Teatro

alt

Esta peça de Filipe La Féria retrata uma noite de inverno nos alvores do marcelismo e antes do 25 de Abril, aquando de uma das tertúlias que Amália realizava na sua casa onde recebia intelectuais maioritariamente opositores do Estado Novo.

O musical foi construído a partir de um registo discográfico da noite em que Amália Rodrigues recebe na sua casa de S. Bento o poeta brasileiro Vinicius de Moraes e algumas figuras da cultura portuguesa como Natália Correia, David Mourão Ferreira, Ary dos Santos, entre outros.

__________

Filipe La Féria

Uma noite em casa de Amália

Chiado Editora


Add a comment

Um auto à República

GÉNERO - Teatro

 

“Um Auto à República” é um texto dramático que pode perfeitamente ser representado por alunos do 2º ou 3º ciclos. E eles são mesmo as personagens desta peça. Eles e a professora Augusta, que decide comemorar o centenário de implantação da República através de uma representação teatral. Viverão, assim, os acontecimentos de um passado ainda bem vivo, bem como o entusiasmo das personagens que impulsionaram a mudança.

 

Cidália Fernandes criou assim uma turma de jovens traquinas mas empenhados, que conviverão de perto com aqueles personagens que participaram directamente na história da sua pátria e da Humanidade, como o rei D. Manuel II, Guerra Junqueiro, António Nobre ou José Relvas.

 

O sucesso está garantido e a peça termina com os célebres vivas à República e o Hino Nacional “A Portuguesa”. As ilustrações desta obra da Plátano Editora ficaram a cargo de Jorge Miguel.

 

__________

 

Cidália Fernandes

 

Um Auto à República

 

Plátano Editora

 


Add a comment

Cenas de um terramoto

GÉNERO - Teatro

 

A mais recente obra do escritor Domingos Lobo chama-se “Cenas De Um Terramoto”. Trata-se de uma peça de teatro em dois actos escrita para o grupo Sobre Tábuas.

 

Para assinalar os 100 anos do terramoto de 1909, que arrasou o sul do distrito de Santarém (Samora Correia, Benavente, Santo Estêvão, Barrosa e Salvaterra de Magos), o escritor deixa-nos a descrição de um facto que ainda hoje é recordado com respeito. Foi a 23 de Abril, e morreram seis dezenas de pessoas debaixo dos escombros.

 

Aquele que foi o maior sismo ocorrido em território português é aqui recordado por este escritor de Santa Comba Dão, mas adoptado pelo Ribatejo.

 

A primeira cena desta interessante obra coloca de imediato o leitor no palco dos acontecimentos. Começa precisamente com um diálogo entre o jovem António e o mestre Sereno. Gera-se o medo e começa-se a ver as casas a esfumar e a Igreja Matriz de Benavente a desabar. Não é ilusão. A terra treme mesmo debaixo dos pés. Já antes, os animais do campo e da quinta tinham, ao que parece, dado sinal que algo iria acontecer. Dizem os mais velhos que os animais pressentem as catástrofes naturais. Logo aí somos presos até ao fim por uma acção repleta de interessantes descrições espácio-temporais, facto que nos indica claramente que estamos perante uma investigação minuciosa leva a cabo pelo autor.

 

Na obra, há espaço para todas as personagens emergirem de uma realidade presente. O maestro é o narrador que ajuda a colocar em cena o padre, a camponesa, o campino, a professora, mas também o presidente de câmara, os vereadores, a velha a até Francisco Sousa Dias.

 

Romancista, contista, dramaturgo e investigador da história são, de resto, algumas facetas da vida de Domingos lobo que neste livro, aqui e ali, se vão também reconhecendo. Escritor surpreendentemente, de um grande método e rigor. Homem de grande cultura, deixa-nos uma prosa simples e leve que merece ser lida com respeito e atenção.

 

Este é, sem margem para qualquer dúvida, livro da História para a História da região do Vale do Tejo e do nosso país. Parabéns Domingos Lobo!

 __________

 

Domingos Lobo

 

Cenas De Um Terramoto

 

Fonte de Palavra

 


Add a comment

A FRASE

O verdadeiro mérito é como os rios: quanto mais profundo, menos ruído faz. (Halifax)

PUB

NOVIDADES

Originais

Opinião