Opinião dos Leitores

Newsletter

Tradutor

Livros & Leituras TV

Entrevistas

Poesia

Fragmentos de um Exílio Voluntário

GÉNERO - Poesia

alt

“Fragmentos de um Exílio Voluntário”, obra poética de Lúcio Autran, é um conjunto de poemas que forma um único poema.

O livro relata a trajetória de um poeta, entre a amargura causada pelo cansaço da inteligência afetada e pela angústia da quase falácia que se tornou a cena cultural em nosso tempo.

Riquíssimo em metáforas e transportes, os poemas de Lúcio Autran transportam-nos a momentos e tempos mágicos, sem que para tal seja necessário sair do sofá.

__________

Lúcio Autran

Fragmentos de um Exílio Voluntário

Bookess


Add a comment

O manual da felicidade

GÉNERO - Poesia

alt

Publicado pela Chiado Editora, a obra O manual da felicidade reúne textos poéticos e inspiradores de João Negreiros. O autor, já galardoado com o Prémio Internacional OFF FLIP de Literatura, categoria de poesia, no Brasil, já ganhou em Portugal o Prémio de Poesia Nuno Júdice e o Prémio Literário Dias de Melo com o seu primeiro romance O Sol morreu aqui. Nesta edição de capa dura, podemos deleitar-nos com as impressões do autor sobre o amor, a felicidade, a gratidão, a bondade, entre muitos outros conceitos que contribuem para a nossa felicidade. Seguindo as pegadas que João Negreiros deixa nas páginas brancas, facilmente nos inspiraremos em ser uma melhor pessoa para o outro e também para nós próprios.

__________

João Negreiros

O manual da felicidade

Chiado Editora


Add a comment

Eterna paixão

GÉNERO - Poesia

alt

Nesta obra publicada pela Edições Vieira da Silva encontramos um conjunto de poemas que retratam a vida da autora enquanto ser humano, desde os seus tempos de escola até à atualidade. As suas vivências amorosas, as suas amizades, paixões e saudades numa mistura de sentimentos que apenas através da escrita Ana Rita Carvalho consegue exprimir. Em Eterna Paixão encontramos textos tão claros como "Escrevo", do qual retiramos um breve excerto, bem demonstrativo da sensibilidade da autora e do valor que a escrita tem para si: Escrevo o que não pode ser dito / Escrevo aquilo que pode ser dito / Escrevo o que não pode ser dito ! Escrevo aquilo que não pode ser sentido.

__________

Ana Rita Carvalho

Eterna Paixão

Edições Vieira da Silva


Add a comment

Brados sem eco

GÉNERO - Poesia

alt

Várias são as obras já publicadas por Pinho Neno com a chancela das Edições Vieira da Silva. Desta vez apresentamos Brados sem eco, uma coletânea de poemas por onde passam os temas da Paz, da Verdade e da Justiça. Mas nem só de positivismo se faz a poesia deste autor. Os seus escritos são também eco das consequências que têm em nós a vileza das ações dos outros, os sentimosntos de vingança, traição ou deslealdade. Brados sem eco é prefaciado por Jaime Taares da silva que elege o poema "Jardim Selvagem" como o mais pessimista de todos, contrapondo-o a "O Homem Novo", onde o sujeito renasce das tragédias e dramas do passado, reiterando ideiais sonhadores mas que ainda fazem acreditar no amor universal entre todos os homens.

__________

Pinho Neno

Brados sem eco

Edições Vieira da Silva


Add a comment

Memórias íntimas e confissões de um pecador justificado

GÉNERO - Poesia

alt

Que título! Memórias íntimas e confissões de um pecador justificado. O livro é do poeta e ensaísta escocês James Hogg. Trata-se de uma feroz e profunda parábola sobre o fanatismo.

Escritor do séculos XVIII, James Hogg garante-nos que sempre que pecou foi por acidente.

“Como escrevo de memória, não me recordo de nada mais acontecido nestes primeiros dias que valha a pena ser contado. Que fui um grande e abstruso pecador, isso confesso, mas guardo ainda a esperança de vir a ser perdoado, pois nunca pequei por questões de princípio, mas por acidente e, nessas ocasiões, sempre tentei arrepender-me desses pecados aos magotes, pois a um e um era impossível.” 

__________

James Hogg

Memórias íntimas e confissões de um pecador justificado

Sistema Solar


Add a comment

PUB

NOVIDADES

A FRASE

Nunca encontrei uma pessoa da qual não tivesse nada a aprender. (A. de Vigny)

Originais

Opinião