Opinião dos Leitores

Newsletter

Tradutor

Livros & Leituras TV

Entrevistas

Lenda da Cerejeira

Avaliação: / 0
FracoBom 

OPINIÃO - Colaboradores

alt

A cerejeira está em flor na Primavera, mas os seus frutos vermelhos e suculentos inundam os mercados no Verão. Assim, vou contar-vos a lenda desta árvore magnífica pela beleza das suas flores e sabor dos seus frutos.

A cerejeira é uma árvore desde sempre muito apreciada no Japão, em particular pelos samurais, a ales associada por uma lenda.

Segundo reza essa lenda, vivia há muitos anos em Iyo um samurai muito velho; tão velho que já nem tinha família nem amigos vivos. O único ser a que ainda podia dedicar o seu amor era uma velha cerejeira, que os seus antepassados tinham plantado, e à sombra da qual o velho samurai tinha brincado enquanto criança. A mesma árvora em cujos ramos os membros da sua família tinham pendurado, durante gerações e gerações, pequenos pedaços de papel onde haviam escrito belos poemas de louvor à velha árvore.

Mas um dia, ó tristeza, a velha cerejeira começou a definhar e depois morreu. Os vizinhos do samurai vieram plantar uma nova cerejeira, mas para o velho samurai a morte da árvora era um sinal de que a sua vida também estava a chegar ao fim.

Então, dirigiu-se à cerejeira cujo tronco ainda se erguia altaneiro no meio do jardim familiar e fez um último desejo: Ó amiga cerejeira, gostaria que ainda uma última vez!” E o velho samurai prometeu que se o seu desejo fosse realizado, esse seria o momento para ele próprio morrer também. A velha cerejeira voltou a dar flor, embora fosse Inverno, e ali mesmo, sob os seus ramos, o velho samurai cometeu harakiri. O sangue ensopou o chão e chegou às raízes da velha cerejeira, e ela floriu uma vez mais.

Segundo ainda a lenda, desde esse dia a velha cerejeira dá flor todos os anos pelo aniversário da morte do samurai. Dizem que é no sexto dia do primeiro mês do ano, bem mesmo no coração do Inverno.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

A FRASE

Na maior parte dos homens, as dificuldades são filhas da preguiça. (Samuel Johnson)

PUB

NOVIDADES

Originais

Opinião