Partly cloudy

19°C

Lisboa

L&L MOBILE

Faixa publicitária

ATUALIDADE

Sondagem

Razões para não ler livros?

Pesquisa

Opinião dos Leitores

Tradutor

CONCURSOS PNL

Livros & Leituras TV

A velhinha do monte e o ladrão

ORIGINAIS - CONTO

alt

Tal como em «O cego e o Mealheiro» também neste conto tradicional se depreende a extrema relevância da inteligência.

A Velhinha do Monte vivia completamente sozinha. Uma noite, sentiu que alguém conseguira abrir a porta e entrar em sua casa para a roubar.

Embora com muito medo, fingiu não se aperceber da intenção do intruso e chamou por ele:

- Chegue-se cá, irmãozinho. Não se esconda, eu sei o que é a pobreza envergonhada. Deve estar cheio de frio e de fome. Venha aquecer-se à lareira e comer uns ovinhos.

O ladrão não resistiu a tal convite pois, na verdade, estava com fome e frio. Aproximou-se e foi sentar-se à lareira a comer.

E, enquanto o ladrão comia, a Velhinha do Monte, que era muito esperta,

não parou de falar.

- É triste ser-se pobre, mas doente é ainda pior. O meu pai, quando lhe apareceu um tumor, tornou-se insuportável e impaciente ao ponto de, quando o médico pegou na lanceta, começar a gritar: «Ó da guarda!, Ó da guarda, Ó da guarda!».

- Não grite tão alto que os vizinhos podem ouvir- dizia-lhe o ladrão.

- Não tem importância, os meus vizinhos já estão habituados a ouvir-me contar esse comportamento de meu Pai. O irmãozinho não pode imaginar o que foi esse dia. Mal o médico levantou a pele para lancetar o tumor, o meu pai gritou com tanta força tinha: «Ó da guarda!, Ó da guarda!, Ó da guarda!».

-Não grite tão alto - insistia nervosamente o ladrão.

- O pior foi quando o médico espremeu o tumor. Então o meu pai gritou a pulmões cheios: «Ó da guarda!, Ó da guarda!, Ó da guarda!».

Ainda a Velhinha do Monte estava a fingir que imitava o pai e já a vizinhança, armada de paus e varas, entrava pela casa dentro, agarrando o ladrão para o levar à cadeia…

Comentar


NOVIDADES

A FRASE

Qualquer um pode carregar seu fardo, embora pesado, até anoitecer. Qualquer um pode fazer seu trabalho, embora árduo, por um dia. Qualquer um pode viver mansamente, pacientemente, amistosamente, até que o Sol se ponha. E isso é o que realmente a vida requer. (Stevenson, escritor britânico)

PUB

Newsletter

Originais

Opinião